quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Sua sombra na parede branca em traços dissipados nos seus movimentos cotidianos me estima a observar. Eu encaro e me calo. De um lado sua energia me prende, e de outro me tiram de lá. Personalidade lúcida e consciente tão normal quanto pensar. No meu imaginário tudo ganha automação, inclusive o teu mundo infinito recluso nos seus próprios acontecimentos. Mergulho nos seus olhos e visto deles o sol se distorce. Eu encaro e me calo. As pessoas falam sobre (...) As pessoas falam de (...) Arquitetando e sempre montando muros e paredes. Eu encaro e me calo. É como tratamos nossos sentimentos. Você está sozinho e às vezes não sabe disso. Eu encaro e me calo. Por que dos vidros a voz não vai passar (...) Então, eu encaro e me calo. Você pode tentar sair, você pode quebrar. Mas também pode se ferir.

Eu encaro, e falo: Não construa nunca mais muros no teu caminho.

Louanny Cury.